Miguel FGF
Lilypie Kids birthday Ticker
João FGF
Lilypie 4th Birthday Ticker
 

Biblioteca de Livros Digitais

Para quem tem filhos aqui fica um site muito giro que junta a informática e a leitura e que incentiva as crianças (e os pais) a ler: Biblioteca de Livros Digitais.

O site tem nove livros digitais, alguns deles originais, outros já publicados, e durante o próximo semestre serão colocados mais 35. Os que já lá estão são muito mais do que um texto num computador, podem ser folheados, contam com ilustrações, algumas delas animadas, e têm ainda a opção de serem lidos por actores.

Espero que gostem!

Dá que pensar!

“Rendimentos dos portugueses está tão longe da UE como há 13 anos

Os portugueses não sentiram melhorias significativas no seu nível de rendimento nos últimos 13 anos face aos parceiros comunitários, de acordo com os dados divulgados ontem pelo gabinete de estatísticas comunitário.

Portugal está na cauda da Zona Euro, perdeu poder de compra entre 2005 e 2007, já foi ultrapassado por Chipre, Eslovénia, Malta e República Checa – que só integraram a União Europeia em 2004. E a distância em relação ao poder de compra de outros novos Estados-membros como a Eslováquia, Polónia e Lituânia está cada vez mais curta.

Em 2007, o poder de compra dos portugueses encontrava-se 23,8% abaixo da média da União Europeia (UE), apenas 1,2 pontos percentuais acima da distância registada em 1995, altura em que se inicia a série de dados comparáveis disponibilizados pelo Eurostat. Isto não significa, necessariamente, que, em termos absolutos, o poder de compra não registou melhorias por cá. Apenas confere a certeza de que os restantes Estados-membros conseguiram no mesmo período uma melhoria mais significativa do que o nosso País, onde o rendimento por habitante, medido em paridade do poder de compra, foi de 18.955,8 euros em 2007, bem abaixo dos 27.162 euros da vizinha Espanha ou dos 66.307,7 euros do Luxemburgo.”

Fonte: http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS&id=344918

Empresários

Um artigo de opinião do Camilo Lourenço que me pareceu interessante. O original está no Jornal de Negócios.

“e você abrir uma sapataria na esquina mais próxima, caro leitor, está a correr um grande risco. Porque se lhe faltarem os clientes terá o banco que o financiou à perna. Provavelmente executando todas e mais alguma garantia que tiver prestado. Por isso, antes de se meter numa aventura empresarial pense bem: em vez da sapataria meta-se antes na banca ou noutro sector com visibilidade (por visibilidade entenda-se “estar no radar do Governo”).

Aí estará safo: se o negócio der para o torto, o problema deixa de ser seu (e até dos bancos que o financiaram) para cair directamente no colo do Governo. Outra leitura não se pode fazer do que ocorreu nas últimas semanas. O BPP, quase um “hedge fund”, entrou em dificuldades e, depois de o ministro das Finanças ter dito que o problema era dos accionistas, o Governo lá “empurrou” seis bancos (até a CCAM está no grupo) para lhe darem uma ajuda. Ao sector automóvel também saiu a taluda do Natal: da noite para o dia apareceram 900 milhões de euros para as empresas do sector.

Fantástico! Ficamos a saber que o risco não é elemento integral, e inevitável, dos negócios. Não sei porquê cheira-me que aquando da próxima recessão essas empresas vão andar novamente por aí, de chapéu estendido, a fazer o mesmo peditório. E, naturalmente, o Governo de então fará exactamente o mesmo que este fez. Será que este país tem mesmo empresários?”

Já sei assoar-me

Foram precisos mais de 4 anos, mas finalmente já me sei assoar!

Miguel FGF

Madagáscar 2

Só para que fique registado (e porque me esqueci de mencionar este pormenor importantíssimo) o “Madagáscar 2″ foi o primeiro filme que o João viu no cinema… ok não era exactamente uma sala de cinema mas contou como tal. Portou-se muito bem e adorou, está aprovado para voltar. Próximo filme “Bolt 3D”.

Espadaret