Belmiro trocava Ota e TGV por 50 projectos de 50 milhões de euros

Pode-se ler na edição on-line do Jornal de Negócios :

“Belmiro de Azevedo «preferia que no próximo Orçamento [do Estado, o de 2007], em vez de dois grandes projectos, houvesse 50 projectos de 30, 40 ou 50 milhões de euros». Porque esse Orçamento «tem de ter uma orientação estratégica» e a construção do novo aeroporto (na Ota) e da linha ferroviária de alta velocidade (TGV) «não são prioritários». E «há coisas mais simples e óbvias a tratar.»

O patrão da Sonae criticou, assim, os projectos públicos na Ota e no TGV durante um almoço-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, sob o tema “Portugal (ainda) é viável?”.

“Se eu governasse o país e o governasse como governo a minha empresa, isso [Ota e TGV] não passaria no Comité de Finanças júnior”, afirmou Belmiro de Azevedo.”

O problema é que, infelizmente, o país não é gerido como uma empresa…

    Outros Artigos Relacionados:


No Comments! Be The First!

Leave a Reply